sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Final de ano aumenta os preços de cebola em todo o País



As cotações da cebola estiveram maiores nesta semana, devido, em grande parte, ao aumento da demanda por bulbos neste final de ano. Além disso, com a produtividade do Sul em baixa, a oferta está limitada, impulsionando ainda mais os preços. A média de venda nesta semana no atacado paulistano foi de R$ 30,75/sc de 20 kg de caixa 3, aumento de 10,7% em relação à semana passada.

A expectativa para as duas últimas semanas do ano é de que o produto continue valorizado, já que com as festas de final de ano a demanda deve continuar aquecida. Além disso, a oferta não deve ser suficiente para atender toda essa procura, apesar dos produtores terem aumentado a disponibilidade de bulbos no mercado para as próximas semanas.

Consumidor pode comprar mais uva neste fim de semana

Mesmo que as cotações de uva tenham esboçado alguma reação na semana passada, nesta os preços não subiram nos atacados de São e de Campinas (SP), considerando que o Natal é no início da semana que vem.  

A uva é uma das principais frutas consumidas nesta época do ano, mas atacadistas comentaram que a demanda ainda foi calma. Geralmente, as compras de frutas normalmente ocorrem apenas nas vésperas das festividades. Assim, a expectativa é de que o mercado reaja neste fim de semana. No entanto, a elevada oferta de uvas com sementes pode limitar aumentos significativos de preço.

Vendas também podem ser aquecidas para a batata

Agentes do setor de batata estão otimistas quanto ao aumento do consumo durante as festas natalinas. No entanto, as vendas poderão recuar na virada do ano. Nesta semana, os preços estiveram elevados nesta semana devido às chuvas ocorridas em regiões produtoras como em Minas Gerais, dificultando a colheita.

Na média semanal, a batata ágata foi comercializada por R$ 66,00/sc de 60 kg, aumento de 21% sobre a média da semana passada.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Uva: preço no atacado já reage com proximidades do Natal



Foto: Divulgação

Os preços de venda da uva registrados nos atacados de São Paulo e de Campinas (SP) foram mais elevados na semana passada. O motivo é a proximidade do Natal, que já gera maior demanda por frutas como a própria uva, além de ameixa, damasco, lichia e pêssegos, por exemplo. Apenas a variedade niagara é que os preços ficaram mais baixos na semana passada, pois a oferta desta variedade está elevada.

Para esta semana, os preços da maioria das variedades de uva devem aumentar novamente com a proximidade das festas de fim de ano, embora o volume ofertado siga alto.

O mercado de melão do Nordeste também obteve bom desempenho na última semana. A proximidade das festividades de fim de ano foi um dos principais fatores que aqueceu o mercado, inclusive por variedades nobres, como para o melão cantaloupe. Isso porque o consumo de melão, assim como a uva, é maior nesta época do ano. Desse modo, parte dos produtores nordestinos aproveitou para reajustar os preços da fruta.

A expectativa é que o ritmo de vendas de melão deva se manter elevado nesta semana, mesmo com a previsão da Tempo Agora indicando chuvas ao longo de toda semana nos principais centros consumidores do País.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Edição de dezembro: Anuário 2012-2013


Já está disponível na internet o Anuário 2012-2013, edição de dezembro da Hortifruti Brasil. Nesta edição você pode relembrar os principais acontecimentos em 2012 do mercado das 12 frutas e hortaliças de estudo do Projeto Hortifruti/Cepea e também as principais perspectivas para 2013.  Acesse já o Anuário da Hortifruti Brasil no site do Cepea aqui!

No Anuário, também está incluso o Caderno de Estatísticas 2011-2012, dando continuidade à série histórica mensal de preços dos hortifrutícolas disponível no site.

Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Pouca chuva pode reduzir volume de HF



Mesmo com chuvas mais frequentes desde novembro no Nordeste, ainda são necessários maiores volumes de precipitações para compensar o longo período de seca. Em Livramento de Nossa Senhora (BA), onde há produção de manga palmer, um pouco mais de 100 mm de chuva foi registrado em novembro, segundo a Tempo Agora.

Produtores de manga ainda não iniciaram os tratos culturais para a safra do próximo ano, uma vez que a aplicação de indutores florais depende de boa quantidade de água disponível. Em alguns pomares de palmer, já foram observadas floração espontânea. Porém, mangicultores de Livramento de Nossa Senhora ainda não conseguem estimar qual será exatamente o período de colheita do primeiro semestre de 2013. Quanto ao volume, as expectativas são de baixa produção justamente pela falta de água.

Com o clima seco nos últimos meses, produtores de batata do Sul de Minas Gerais devem iniciar a safra das águas mais ao final do ano, ou seja, com cerca de 20 dias de atraso. O volume de batata ofertado pelo sul mineiro, que normalmente é de 20% em dezembro, deverá ser de apenas 5%.

O período de estiagem nos pomares de laranja de São Paulo poderá impactar na produção da safra 2013/14 (julho-13/junho-14). Em quase todas as regiões produtoras de laranja, a abertura das flores foi seguida por períodos de sol intenso e pouca chuva, o que prejudicou o “pegamento” da florada. Nos pomares que contaram com irrigação, os impactos foram minimizados, havendo “pegamento” de boa parte da florada, mas, mesmo nestas propriedades, citricultores acreditam que dificilmente a produção superará a de 2012/13.

Além de questões climáticas, a diminuição dos tratos culturais em virtude da baixa remuneração neste ano também poderá acarretar em menor produção de laranja na próxima temporada.

Chuva intensa traz prejuízos à viticultura paulista

Em contraste com algumas regiões produtoras de frutas e hortaliças necessitando de maior volume hídrico, algumas áreas produtoras de uva no estado de São Paulo receberam chuvas intensas na última semana, trazendo prejuízos. Isso porque muitos produtores estão se preparando para a colheita da fruta com o intuito de ofertá-la para as festas de fim de ano, período de consumo aquecido de uva.

Na região de Jundiaí, por exemplo, pancadas de chuva chegaram a rachar as bagas, fazendo com que alguns produtores perdessem quase todo o parreiral. Por enquanto, os prejuízos dos viticultores paulistas ainda não foram contabilizados.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Fim de ano: vendas de uva ainda estão calmas



A oferta de uva nacional está elevada e, por enquanto, as vendas foram calmas até a última semana. No mês passado, as regiões de Marialva e norte do estado do Paraná (PR) iniciaram a colheita de uvas finas. Além desta, outras regiões devem iniciar a safra em dezembro, como Campinas e São Miguel Arcanjo (SP) e Rosário do Ivaí (PR). 

O desempenho das vendas será positivo na segunda semana de dezembro, conforme as festas de final de ano se aproximam, visto que uva é muito consumida no fim do ano.



Batata fecha a semana em alta com chuva

Os preços da batata estiveram mais elevados no início da última semana, devido à menor oferta disponível desses produtos por conta das chuvas nas lavouras. A umidade acaba interferindo nas atividades de campo e, quando são intensas, chegam a interromper a colheita. 

Com o clima mais firme ao longo da semana, as atividades de campo voltaram à normalidade e, consequentemente, houve mais mercadoria no mercado, reduzindo os preços. Mesmo assim, o preço da batata fechou a semana valorizada, se comparados com os preços da semana anterior.

Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Chuva faz preço do tomate e da batata subir



As chuvas no início da semana passada dificultaram a colheita de batata e tomate. Por alguns momentos, a colheita chegou a ser interrompida, reduzindo o volume a ser comercializado na Ceagesp.

Com isso, o tomate valorizou cerca de 50% na média da semana, cotado na ceasa paulistana a R$ 37,50/cx de 22 kg. A umidade, além de trazer melhor rentabilidade ao setor, também trouxe prejuízos quanto à qualidade. As cotações variaram de acordo com o calibre, conforme relataram atacadistas.

O cenário mais altista da batata foi observado principalmente no início da semana. Na segunda-feira, 12, a batata ágata especial foi comercializada na Ceagesp por R$ 66,72/sc de 50 k. Com o tempo aberto no decorrer da semana, as atividades de campo foram retomadas, com aumento da oferta do produto no mercado, reduzindo as cotações. Na última sexta-feira, 16, o preço encerrou a semana em R$ 58,33/sc.    

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasi

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Edição de novembro: Gestão Sustentável - Uva


A Hortifruti Brasil divulga na edição de novembro o segundo Especial Frutas com foco na sustentabilidade da viticultura do Vale do São Francisco. A maior produção enviada ao mercado externo e seu potencial de crescimento também é foco da Matéria de Capa desta edição.

Convidamos produtores de uva do Vale do São Francisco para comentar quais foram suas medidas para se manter sustentável e suas expectativas daqui para a frente. Veja a edição completa na página da Hortifruti Brasil: www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil.

Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil 

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Chuvas finalmente chegam ao Nordeste



Após praticamente o ano inteiro de clima seco, o Nordeste volta a receber chuvas em regiões produtoras de frutas e hortaliças. As chuvas são bastante bem-vindas na região, uma vez que os poços na região estão em níveis bastante baixos.

Ao longo desta semana, um bom volume pluviométrico deve ocorrer na Chapada Diamantina (BA), conforme a Tempo Agora, onde há produção de tomate. Caso as precipitações sejam regulares, o volume hídrico no solo e nos reservatórios deverá ser recuperado ao longo do mês, permitindo a retomada do ritmo do cultivo de tomate, que estava reduzido desde setembro. Por outro lado, as atividades de colheita poderão ser interrompidas em alguns momentos por conta das precipitações, reduzindo o volume colhido na Chapada Diamantina.

Em Irecê (BA), também há previsão de chuva para os próximos 10 dias. Porém, para não prejudicar o final da temporada de cebola, produtores devem adiantar a colheita e formar um pequeno estoque de bulbos. Essa estratégia tem o intuito de garantir a oferta de cebolas no início do mês e não perder maior quantidade de cebola na roça, já que chuvas intensas inviabilizam atividades de campo.

Produtores de manga de Livramento de Nossa Senhora (BA) estão mais confiantes para a safra de 2013, pois as chuvas também devem chegar nesta região. Neste ano, Livramento de Nossa Senhora foi impactada pela seca durante grande parte de 2012 – foram praticamente oito meses sem chuvas significativas. Em decorrência disto, a irrigação para a mangicultura chegou a ser suspensa.

Chuvas devem ocorrer novamente em outros momentos de novembro, caracterizando um mês chuvoso no Nordeste. Já em regiões onde chuvas ocorreram de forma mais constante, como Sul e Sudeste, o clima deverá ser firme nos próximos dias, conforme a Somar Meteorologia.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Chuva não afeta volume de batata no mercado



O mercado de batata é, em determinadas épocas do ano, caracterizado como “mercado de chuva”. Em períodos de maior umidade, a colheita do produto é dificultada e, dependendo da intensidade, a colheita chega a ser interrompida, devido ao difícil acesso até o campo.

As chuvas na semana passada nas roças de batata, no entanto, acabaram não sendo um empecilho para as atividades de campo. Tanto é que o volume do tubérculo que chegou à Ceagesp se manteve como na semana anterior.

Na média da semana passada, o preço da batata especial padrão ágata foi de R$ 60,76/sc de 50 kg na Ceagesp, 9,4% inferior ao da semana passada. A desvalorização ocorreu devido à maior oferta ocasionada pelas atividades de colheita mais intensificadas no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e Sudoeste Paulista.

A previsão para esta semana é de chuva apenas depois do feriado do dia 02/11 (sexta-feira). Assim, as atividades de colheita devem seguir normalmente.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil